Tem cuidado de ti mesmo

Tem cuidado de ti mesmo

Publicado em 23/11/2017

Compartilhe

Êxodo 18.13-27

Liderar é sem dúvida uma das tarefas mais difíceis para uma pessoa e quando essa tarefa é potencializada pelo fato de liderar o povo de Deus, isso se torna ainda mais complicado. Essa experiência foi vivida por Moisés, que em meio a um ambiente hostil conseguiu seu objetivo de levar o povo à terra prometida. Porém, esse caminho foi cheio de obstáculos e desafios, muitos dos quais o levaram ao limite físico/emocional para poder cumprir seu chamado. Nesta lição veremos o risco que se corre ao liderar sozinho e de como é importante ter pessoas para compartilhar essa tão grande responsabilidade. Que você aproveite ao máximo e seja ricamente abençoado por ela.

 

  1. Centralização de poder, um risco desnecessário.

O povo de Israel estava iniciando uma nova vida, finalmente a liberdade desejada por gerações era uma realidade. O jugo dos capatazes com seus açoites já não era mais o temor do povo, entretanto, eles não estavam habituados a esse novo modelo de sociedade, de serem homens livres. Isso acarretou vários litígios entre os judeus e coube a Moisés, o líder natural do povo, a resolução dessas questões. O problema é que Moisés conhecia somente o modelo de governo egípcio onde passara sua infância e parte da juventude, nele o faraó centralizava o poder e de forma direta ou indireta resolvia todas as questões do reino. Mais que um simples rei, o faraó era também o administrador máximo, o chefe do exército, o primeiro magistrado e o sacerdote supremo do Egito. Em caráter de urgência, Moisés inicia o julgamento das causas, porém os problemas continuavam a crescer devido à grande quantidade de pessoas, o que frustrava alguns que esperavam por essas decisões.

Esse modelo de liderança produz as seguintes consequências:

  1. A centralização de poder Em qualquer instituição o líder é quem dá o ponto final. O que acontece é que na maioria das vezes esse veredicto vem “compartilhado”, ou seja, outras instâncias participaram dessa decisão, porém existe um grande risco quando todo o poder está nas mãos de uma só pessoa, pois o ser humano por si só é falível (Jr 17.9). Esse modelo é largamente utilizado pelos neopentecostais, que excluem de forma tirana qualquer um que discorda de suas opiniões, criando com isso uma horda de feridos e magoados, muitas vezes irreconciliáveis.
  2. Fadiga, estresse e esfriamentoAquele seria mais um dia comum para Moisés, o que nos mostra sua possível rotina, uma cansativa maratona de julgamentos, aconselhamentos e ensinamentos doutrinários. Não é raro ver pastores seguindo essa mesma rotina, homens vocacionados, chamados por Deus mergulham na rotina perigosa do ativismo e tentam ser onipresentes. Tentando resolver todos os problemas da igreja, se estressam, se fadigam e se decepcionam. E como na parábola do filho pródigo, é aquele que permanece em casa apenas para trabalhar, e no afã de servir ao Senhor, acabam se afastando dEle. Há uma onda crescente de pastores debilitados emocionalmente, por estarem presos a um sistema ultrapassado e desumano, onde somente o líder deve resolver tudo.

 

  1. Um sábio conselho

Jetro observou Moisés durante aquele dia (v.14) e percebeu que mesmo com boa fé, o grande líder incorreu num grave erro, desgastava-se e não conseguia atender a todos os anseios do povo. Ao término do dia, numa conversa simples, o velho sacerdote dá alguns conselhos que mudariam para sempre o conceito de liderança. Vejamos como foi:

 

1º) “Representa o povo perante Deus, leva as suas causas a Deus, ensina-lhes os estatutos e as leis e faze-lhes saber o caminho em que devem andar e a obra que devem fazer.”

O grande volume de atividades estava tirando de Moisés a sua atividade essencial, fazer o papel do sacerdote intercedendo pelo povo e ensinando os estatutos de Deus. Na realidade, ele intensificou suas forças para resolver os problemas, quando na verdade o ideal seria prevenir, ensinando ao povo de forma geral o caminho a ser seguido (Pv 29.18). A Palavra de Deus uma vez ministrada e vivida tem a essência de antídoto contra o pecado, um cristão bem doutrinado é como uma ovelha bem alimentada, mansa, tranquila, pois está satisfeita. Porém, se o pasto não lhe satisfizer, ela dará inúmeros problemas, pois sente falta de alimento e não descansará até achá-lo. O problema é que nessa busca ela pode cair em ribanceiras, ser atacada e até morta por predadores.

Os discípulos enfrentaram o mesmo problema quando a Igreja começou a crescer, e o volume de atividades estava roubando deles o tempo de estar com Deus e de ministrar Sua palavra (At 6.1-5). Hoje vivemos num mundo globalizado e intensamente agitado, as inúmeras atividades roubam de nós um tempo precioso, é necessário entender que todas as demais atividades de um pastor giram em torno de uma, servir a Deus e seguir Seus estatutos ensinando-os ao povo.

 

2 º) “Procura dentre o povo homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinquenta e chefes de dez.”

A ideia de Jetro era descentralizar o poder, delegando autoridade a outros para que esses fizessem uma triagem dos problemas, levando a Moisés somente aqueles mais difíceis que requereriam maior capacidade e/ou autoridade. O problema é que quando se delega autoridade a alguém, a confiança deve ser plena. Pois não se trabalha com quem não se confia. Afinal de contas, ao delegar algo a alguém se espera que ele faça o que foi proposto, ou então quem delegou terá um trabalho ainda maior do que antes. Por isso não podia ser qualquer pessoa, Jetro passa então a sugerir como essas pessoas seriam:

  1. Capazes e tementes a Deus à É a primeira qualidade descrita, a liderança não pode ser escolhida por parentesco ou afinidade. Essa capacidade é levada em consideração para definir a quantidade de pessoas que esse líder iria julgar:... chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinquenta e chefes de dez.” Note que a responsabilidade é segundo a capacidade. Na parábola dos talentos (Mt 25.14-30) o Senhor entrega talentos na seguinte ordem cinco, dois e um. O texto é enfático: “Segundo a sua capacidade...”, o nível de comprometimento que Deus exige de Seu povo é segundo sua própria capacidade, Ele seria injusto se cobrasse além do que você pode. Entendemos então que se Deus permitiu que chegasse algo à sua mão para realizar, é porque você tem capacidade para isso. E toda essa capacidade seria em vão, se a pessoa não fosse temente a Deus.
  2. Não avarentos à O sentido da palavra avareza no original é “ganho injusto”, e esses homens iriam julgar causas entre ricos e pobres, pois havia no meio do povo pessoas que saíram do Egito com muitas posses. Aquele que julga deve ser imparcial, e se o mesmo for ávido por dinheiro e/ou vantagens, com certeza sua decisão será tendenciosa (Pv 11.1). O interesse pelo lucro tem feito muitos líderes apostatarem da fé. E por causa desse desejo, eles estão torcem seus sermões para respaldar suas insanidades (1Tm 6.10).

 

) “Para que julguem este povo em todo tempo. Toda causa grave trarão a ti, mas toda causa pequena eles mesmos julgarão; será assim mais fácil para ti, e eles levarão a carga contigo.”

O final da frase dá a essência do conselho: “eles levarão a carga contigo.” O sistema sugerido por Jetro, é na verdade compartilhamento de responsabilidades. Moisés continuava sendo o líder, entretanto agora ele tinha como suporte pessoas que como ele eram comprometidas com Deus e Seu povo. Essa definição nos leva a imaginar a Igreja como um relógio composto de várias engrenagens, cada uma no seu tamanho. Engrenagens rústicas, delicadas, grandes e pequenas, todas necessárias e interdependentes, funcionando num sincronismo perfeito. O simples entrave numa das engrenagens leva a máquina a funcionar com dificuldade ou até parar. A Bíblia usa outras metáforas a respeito dessa unidade e sincronia (1Co 12.12-14; 1Pe 2.5,9), mas na sua essência a verdade é a mesma: A responsabilidade é de todos, segundo a capacidade de cada um.

 

Liderar e ser liderado sem dúvida é uma tarefa difícil, em ambos os casos é necessário ter entrega e confiança no outro, porém nós, que somos o povo de Deus e cremos na Sua soberania, sabemos que nossos líderes são autoridades constituídas por Ele (Rm 13.1,2). Embasados nisso, que possamos viver em amor, cooperando mutuamente, sabendo que é para Deus que fazemos com todo amor e dedicação. 

Moisés atendeu o conselho de Jetro, e fez exatamente como foi sugerido (Dt 1.9-18), os líderes escolhidos se chegaram a ele e o ajudaram. Agora é a nossa vez de vivenciar esse modelo de liderança, alcançando mais vidas e abençoando-as com uma Igreja sadia e feliz.

Por: Pr. Edvan Menezes